Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

No dia de Nossa Senhora dos Anjos (Perdão de Assis): Francisco e suas misericórdias

Revista O Santuário

Francisco de Assis inspirou a muitos a perdoar o seu próximo, como a exemplo da vez que um pobre, em virtude da esmola do bem-aventurado Francisco, perdoou as injúrias e deixou de odiar a seu senhor.
Porém, uma das amostra da misericórdia de Francisco foi o pedido que fez ao Senhor uma certa vez. Era dia 02 de agosto e Francisco estava na Porciúncula, a igrejinha que ajudou a reconstruir. Foi nesse dia que nasceu
o Perdão de Assis e a história se encontra completa nas Fontes Franciscanas.
“A igrejinha ficou tomada de uma luz vivíssima jamais vista antes, e Francisco viu sobre o altar o Cristo e à sua direita a sua Mãe Santíssima, acompanhados de uma multidão de anjos. Francisco ficou em
silêncio e começou a adorar o seu Senhor”.

Quando lhe perguntaram o que ele desejava para a salvação das almas, Francisco respondeu: “Santíssimo Pai, mesmo que eu seja um mísero, o pior dos pecadores, te peço, que, a todos quantos arrependidos e
confessados, virão visitar esta Igreja, lhes conceda amplo e generoso perdão, com uma completa remissão de todas as culpas”.
Nasceu assim, “em uma noite linda, do ano do Senhor de 1216”, a Indulgência da Porciúncula, celebrada no dia 02 de agosto,
também chamada de Festa do Perdão de Assis, ou Festa de Santa Maria dos Anjos da Porciúncula.


A exemplo de São Francisco

Papa Francisco, a exemplo do santo que inspirou seu nome, é conhecido por sua misericórdia. Desde o início de seu papado, o primeiro papa latino-americano, é conhecido por essa visão da igreja, uma igreja misericordiosa. O exemplo disso foi o decreto quepublicou em março às vítimas da covid-19, que concedeu indulgências especiais aos fiéis vítimas da pandemia. Uma indulgência é o perdão total ou parcial dada pela igreja.
Diz o decreto: “Concede-se a indulgência plenária aos fiéis afetados pelo coronavírus, submetidos a regimes de quarentena porordem das autoridades sanitárias nos hospitais ou em suas próprias casas”. Pede-se que os atingidos se unam espiritualmente através dos meios de comunicação à celebração da Santa Missa, reza do Santo Rosário, Credo,
Pai Nosso e uma invocação à Virgem Maria.
A medida alcança operadores sanitários, familiares de vítimas e a qualquer um que cuide dos doentes, até mesmo em forma de
orações. A indulgência também se estende aos fiéis mortos sem a extrema-unção.

Confira as celebrações transmitidas nesse dia 02 de agosto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *