Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Fiéis participam da procissão com o Andor de São Francisco no encerramento do festejo

Devotos conduzem o Andor de São Francisco

Mãos erguidas em agradecimento pelas graças alcançadas e orações por vidas melhores. Os romeiros que durante dez dias renderam homenagens ao santo símbolo da humildade e da fraternidade, São Francisco, que é de Assis, das Chagas, e nesses dias, no Ceará, mais intensamente de Canindé, despediram-se, nesse dia 16, dos festejos no Município do Sertão Central do Estado.

O Choro, a fé e a emoção. Foi assim o ritual de encerramento da maior romaria franciscana das Américas. Mantendo uma tradição de 258 anos, a imagem de São Francisquinho, como é carinhosamente chamada à primeira estatueta de São Francisco das Chagas, que mede 0,62 centímetros, sendo 8 centímetros de pedestal percorreu as ruas centrais de Canindé e retornou à Praça da Basílica, em mais uma edição da procissão de encerramento dos festejos franciscanos.

O Andor de São Francisco e os romeiros

A procissão é um dos pontos principais da festa para os romeiros. “É o momento em que os peregrinos renovam a fé e a devoção a São Francisco”, explica frei Marconi. Segundo ele, os festejos de 2016 superaram a expectativa, seja em organização ou na participação dos romeiros.

A romeira Francisca Maria da Silva fez uma promessa para levar um prato cheio de velas na procissão. Moradora da cidade de Imperatriz no Maranhão ela não revelou o motivo da atitude. Limitou-se apenas a dizer: ‘’Fui salva por São Francisco’’.

Valer-se de São Francisco das Chagas para superar as dificuldades da vida. Hoje pela manhã na Gruta de Nossa Senhora de Lurdes, encerramento das atividades religiosas e dia oficial de homenagem ao santo, milhares de fiéis, romeiros e peregrinos ainda rezavam por graças alcançadas. Exibiam a devoção que enche ruas, gera negócios e faz da cidade de aproximadamente 80 mil habitantes a capital nordestina da fé.

História de devoção

Andor de São Francisco confeccionado com participação dos artistas Fabiano Chaves e Roberto, e adornado pela equipe de liturgia do Santuário e voluntários

São Francisco nasceu no dia 5 de julho de 1182 em Assis na Itália, há exatos 834 anos e morreu no dia 4 de outubro de 1226, há 790 anos. A fé e devoção no Sertão Nordestino já duram 258 anos. A imagem franciscana chegou à cidade em 1796 a 220 anos. Em 1817, foi criada a Paróquia de São Francisco que no próximo em 2017, quando a festa será realizada dentro de seu período normal de 24 de setembro a 04 de outubro, completará 200 anos.

Atendimento no Santuário para acolher os devotos peregrinos

De acordo com a paróquia de São Francisco das Chagas de Canindé, desde o dia 06 de outubro 420 pessoas (210 voluntários, 120 contratados e 90 funcionários da Igreja) trabalhavam para receber e orientar os que chegavam. Entre missas, novenas e atendimento aos romeiros, estiveram divididos 60 padres e 15 frades. A estrutura do Santuário de São Francisco para receber os católicos, durante a festa conta com alojamentos para 7.500 pessoas, 140 banheiros. Foram celebradas 97 missas e realizadas 4.328 confissões.

Quem vai a Canindé em penitência parece necessitar apenas do mínimo. Cada prece rogada exige, no entanto, o máximo de participação. Romeiros como Maria de Sousa Lima, 69, que veio do Maranhão com a filha e três netos, estava alojada em um quarto alugado por quatro dias. Desenrolando uma das pulseirinhas amarradas ao redor da estátua do santo, Maria explicava: “Você desfaz três nós e tem direito a três pedidos, mas eu quero é só saúde mesmo, para toda minha família”.

O animador do novenário

Pároco e reitor Frei Marconi Lins, OFM, com o animador da novena Frei Jonaldo Adelino, OFM, no encerramento do festejo

Para frei Jonaldo Adelino, animador das noites da novena realizadas na Praça dos Romeiros, o ponto alto da festa é o “romeiro vir, ouvir a palavra e voltar para evangelizar”. A função do frei é fazer com que cada romeiro esteja integrado aos eventos. Este ano, a juventude, segundo o frei, esteve mais presente em Canindé. O tema foi “Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas’’.

Continuidade da romaria a Canindé

O pequeno Antônio Sérgio Braga de, 11 anos, parecia já compreender a importância da fé em São Francisco. Ele veio com o pai, Odair Chaves Gomes, 46, da cidade de Rio Claro em São Paulo, e deixou claro o motivo que o trouxe. “Quero agradecer porque ele (São Francisco) é muito bom e nos ajuda”, ressaltou. Entre vai e vem pelas ruas de Canindé, é possível encontrar facilmente crianças vestidas como romeiros, rezando.

Mensagem do reitor sobre a espiritualidade franciscana na cidade

O pároco e reitor do Santuário disse que em Canindé a força espiritual é imensa. ‘’Aqui em Canindé você ver Cristo representado por São Francisco. São Francisco que impressionou o mundo. Francisco que continua vivo em Canindé. Estamos vivendo os 790 anos de sua morte’’, disse Frei Marconi.

Ele continua; a fé é evidente nesse Santuário. Essa festa foi fortalecida pela fé e louvação a Deus por tudo que ele criou.

Desejamos aos romeiros nos pés dessa Basílica que espalhou pelo Nordeste a força de Francisco muito força divina para superarmos os obstáculos. Que essa devoção franciscana de Canindé que nos faz o maior santuário franciscano das Américas e o segundo do mundo, permaneça viva entre nós. Boa Viagem a todos’’, concluiu o frei.

Confira imagens da participação dos devotos no penúltimo dia de festa no encerramento com a procissão do Andor de São Francisco:

Com informações do Santuário de São Francisco das Chagas.

Texto colaboração: Antônio C. Alves. Fotos colaboração: Rogério Sales.

Equipe de Comunicação de Mídias Digitais do Santuário (www.santuariodecaninde.com)

Ver mais notícias destaque do Santuário, clique aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *