Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Recolhido pela Irmã Morte, entra na Vida

Percebendo que nada mais lhe restava fazer neste mundo, após ter amado tanto a todos e a tudo, Francisco pediu para retornar à Poriúncula. A irmã Morte estava vizinha. Chegado à planície, pediu que o colocassem sobre uma maca e, dirigindo seu olhar quase cego para o lado da cidade, invocou sobre ela e sobre os irmãos a bênção de Deus. Como ele amara a cidade de Assis, e como nela foi amado! Se Jesus disse que ninguém é profeta em sua terra, para Francisco ele fez exceção.

Nos últimos dias de vida, ditou o Testamento, autotestemunho de incalculável valor para a vida e os propósitos deste homem tão singular.

Com a proximidade da morte, pediu que o deitassem nu, no chão, unido à irmã Terra. Depois aceitou emprestado o hábito que o guardião lhe dá. Agradeceu mais esta esmola.

De São Damião veio o recado de Clara, dizendo que gostaria muito de vê-lo mais uma vez, ao que Francisco respondeu que “ir até lá não podia mais. Porém, elas o veriam mais uma vez”.

Pediu que chamassem frei Ângelo e frei Leão, para lhe cantarem mais uma vez o cântico do Irmão Sol. E várias vezes pedia que o repetissem, e ele acrescentava a estro da irmã Morte. Francisco lembrou-se de uma grande amiga romana, Jacoba de Settersoli, viúva de um patrício romano e mãe de dois filhos. Ao ir a Roma, Francisco se afeiçoara a ela e ela a ele. Gostava de ir à sua casa conversar e comer uns docinhos especiais que Jacoba sabia fazer.

“Vão a Roma, e contem a senhora Jacoba a minha situação. Ela gostará de saber. E peçam também que traga uma túnica e aquele doce de amêndoa que me preparava quando ia a Roma”. Mal acabou de falar, batem a porta. É Jacoba que chegava. Tinha sido avisada do estado do pai Francisco. Pela lei, nenhuma mulher podia ter acesso à Porciúncula, mas Francisco fez exceção, dizendo: “A proibição não vale para ela. Deixem entra ‘frei’ Jacoba”. Jacoba entrou, feliz por ver o grande amigo, abraçou-o com ternura, chorou e ofereceu-lhe a veste e o doce, que Francisco não pode mais comer.

Francisco pediu que lhe trouxessem um pão, partiu-o e deu um pedaço a cada um dos presentes, em sinal de amor mútuo e de paz, dizendo: “Eu fiz a minha parte. Que Cristo vos ensine a fazer a vossa”. Fez ler o Evangelho da Última Ceia e abençoou os filhos seus, presentes e futuros.

Na tarde de 3 de outubro de 1226, o mundo perdia seu filho mais original, mais santo, o único homem amado em todo o mundo e em todos os tempos. Francisco morreu, morreu cantando. “Frei” Jacoba foi chamada por um irmão: “Vem, para que possas tr nos braços depois de morto, aquele a quem tanto amaste quando vivo”. Foi ela a primeira pessoa que teve acesso a seu corpo, que foi colocado em seu colo, e ela ficou como Maria com o Filho morto. Jacoba viu as dolorosas chagas de Francisco. Chorava, gemia, soluçava e o abraçava ternamente. Jacoba nunca mais o esqueceu. Pouco depois veio morar em Assis, ali permanecendo até a morte.

Francisco tinha pedido para ser enterrado no cemitério dos criminosos, mas não o obedeceram. No dia seguinte, 4 de outubro, foi sepultado na igreja de São Jorge, na cidade de Assis. Antes, o cortejo fúnebre passou pelo mosteiro de São Damião, para a despedida de Clara e das Senhoras Pobres. Cumpria-se assim a promessa de Francisco de que Clara o veria mais uma vez. O corpo do Santo foi erguido, para que Clara e as clarissas pudessem vê-lo bem. E como choraram a falta do amigo querido! Clara e Jacoba, estas duas grandes mulheres, passaram os longos anos que lhe restaram de vida na saudade de Francisco.

No dia 16 de julho de 1228, o grande amigo franciscano Hugolino, agora Papa Gregório IX, vai pessoalmente a Assis para canonizar Francisco. O pai Francisco é agora o universal São Francisco de Assis.

Fonte: São Francisco. O Poeta da criação. Autor:  Pe. José Artulino Besen. Editora: Mundo e Missão.