Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

A morte de uma Santa

Clara suportou os longos anos de enfermidade com sublime paciência. Em 1253, teve início uma longa e interminável agonia. O Papa Inocêncio IV deu-lhe duas vezes a absolvição com o perdão dos pecados, e comentou: “Queira Deus que eu necessitasse de perdão tão pouco assim”. Doente e pobre, as mais altas autoridades da Igreja sentiam sua sabedoria e santidade e vinham aconselhar-se com ela em São Damião.

Durante os últimos 17 dias não conseguiu tomar nenhum alimento. A fé e a devoção do povo aumentavam cada vez mais. Diariamente cardeais e prelados chegavam para visita-la, pois todos tinham certeza de que era uma santa que estava para morrer.

Irmã Inês, sua irmã, estava presente, bem como os três companheiros de Francisco, os freis Leão, Ângelo e Junípero. Vendo que a vida de Clara estava chegando ao fim, emocionados lera a Paixão de Jesus segundo João, como tinham feito 27 aos antes, na morte de Francisco.

Clara consolou e abençoou suas filhas espirituais. E, para si, disse: “Caminho sem receio, pois tens um bom guia. Ô senhor, eu vos agradeço e bendigo pela graça que vos dignastes conceder-me de poder viver”. E foi recebida na corte celeste. Era Senhora Pobre há 42 anos e tinha 60 de vida.

Dois anos após sua morte, o papa Alexandre IV canonizou-a em Anagni. Era o ano de 1255.

Fonte: São Francisco. O Poeta da criação. Autor:  Pe. José Artulino Besen. Editora: Mundo e Missão.

Campanha dos Benfeitores

Informações, atualizar cadastro, novo benfeitor, revista, doações

Secretaria do Santuário

Informações, horários de missas, cemitério São Miguel, doações

Secretaria da Paróquia

Informações, horários de missas, batizados, casamentos, dízimo

Pousada Franciscana CEFRAE

Hospedagem, acomodações e refeições para romeiros e visitantes

Livraria São Francisco

Informações, livros, bíblias, artigos religiosos, lembranças do Santuário